Instituto Soka participa da Pré-Cupula de Jovens visando a COP-30 em Belém

Entre os dias 17 e 19 de junho, delegações internacionais dos membros do G20 e de países da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), representantes de todos os estados brasileiros e lideranças jovens e ativistas sociais e ambientais, se reuniram no Y20 Pré Summit, evento preparatório para o encontro Y20 que acontecerá em agosto no Rio de Janeiro.

O Instituto Soka Amazônia participou do evento com a exibição da Exposição Sementes da Esperança e Ação, produzida pela Carta da Terra Internacional e a organização global Soka Gakkai.

Participantes do Y20 visitam exposição

Para o vice-presidente do Instituto Soka Amazônia, Milton Fujiyoshi, foi uma grande satisfação contribuir para os debates do Y20 com a Exposição e que será apresentada por  jovens que são voluntários do Instituto. “Diante de tantos desafios que serão debatidos aqui, levar a mensagem de Esperança e da necessária Ação é de grande valor”, afirma.

Milton Fujiyoshi, vice-presidente do Instituto Soka Amazônia

 

Fujiyoshi, ressalta que as ações de educação ambiental, proteção da biodiversidade amazônica e apoio a pesquisas científicas que o Instituto empreende são desenvolvidas por e para os jovens.

“Trocar experiências e ouvir essa nova geração para busca de soluções para os graves problemas que a nossa sociedade e o Planeta enfrentam é imprescindível. O fundador do Instituto Soka, doutor Ikeda, constantemente exaltava essa importância do engajamento dos jovens para transformação da sociedade, com força e paixão, como ele mesmo dizia”.

Entre os dias 5 e 16 de junho, a exposição esteve aberta à visitação pública na sede da Secretaria da Educação do Estado do Pará e no  Centro de Formação dos Profissionais da Educação Básica do Pará (Cefor) nas celebrações do Dia do Meio Ambiente.

 

 

Participantes do Y20 visitam exposição

Um grupo de 32 jovens voluntários do Instituto Soka Amazônia e associados da Brasil SGI foram convidados a acompanhar a programação do evento que é uma realização do Y20, da Secretaria Nacional de Juventude da Secretaria-Geral da Presidência da República, do governo do Estado do Pará e do Conselho Nacional da Juventude.

Jovens participam dos debates do Y20

Os participantes se dividiram em grupos de trabalhos temáticos para aprofundamentos de propostas a temas. Também assistem ao workshop sobre Mudanças Climáticas ministrado pelo Mahatma Gandhi Institute of Education for Peace and Sustainable Development.

Jovens participam dos debates do Y20

O objetivo do Pré-Summit Y2, de acordo com o Presidente do Conselho Nacional de Juventude e Chair do Y20, Marcus Barão  é subsidiar a elaboração de um documento com reivindicações e propostas das juventudes para o Summit do Y20, que acontecerá em agosto no Rio de Janeiro. Este documento será entregue durante a Cúpula de Líderes do G20, em novembro. “Trabalhamos para fortalecer o protagonismo das juventudes nos espaços de tomada de decisão do G20 e do mundo.”, afirma.

ASSISTA AOS DEPOIMENTOS:

 

ENTENDA MELHOR:

Y20 (Youth20)

É o encontro do Grupo Oficial de Engajamentos do G20, um dos dos 13 grupos de engajamento que compõem o G20 Social, que foi anunciado Presidência do Brasil durante a 18ª Cúpula de Chefes de Governo e Estado do G20, em Nova Délhi, na Índia, quando o País assumiu simbolicamente a presidência do bloco.

TEMAS ANALISADOS NO ENCONTRO

  • Combate à fome, à pobreza e à desigualdade;
  • Mudanças climáticas, transição energética e desenvolvimento sustentável;
  • Reforma do sistema de governança global; inclusão e diversidade;
  • Inovação e futuro do mundo do trabalho.

COP30

A 30ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP30) acontecerá em novembro de 2025, pela primeira vez em uma cidade amazônica, Belém,  capital do Pará.  Promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), a COP visa reunir as lideranças de diversos países, organizações não governamentais (ONGs), cientistas, especialistas em clima e outros agentes da sociedade civil para discutir formas de desacelerar as mudanças climáticas e amenizar os impactos já causados.

Um mundo melhor com a Carta da Terra

Cada coisa que existe é digna de reverência suprema. A natureza não é algo para os seres humanos explorarem como acharem adequado, apenas para seus próprios interesses. Tanto a natureza como a humanidade são parte – e ao mesmo tempo expressões completas – da vida do universo. Destruir o mundo natural é destruir a vida humana.

Daisaku Ikeda, filósofo, poeta, pacifista e fundador do Instituto Soka Amazônia

Foi em 1987 que a Comissão Mundial das Nações Unidas para o Meio Ambiente realizou um chamado a toda a humanidade a fim de produzir uma nova Carta, um documento único, que estabelecesse os princípios essenciais para o desenvolvimento sustentável do planeta. Era ainda um mundo dividido pela Guerra Fria, em que as questões ambientais ainda eram pouco consideradas e havia mais dúvidas que certezas.

A Cata da Terra

Foram inúmeros debates e rodas de conversa entre cientistas, estudiosos, personalidades do mundo das artes e da sociedade civil, ao longo de mais de uma década, até que se chegasse a um documento consensual. Milhares de pessoas, centenas de organizações e setores diversos da sociedade de todo o mundo participaram de sua elaboração. O resultado é um tratado dos povos da Terra que estabelece os preceitos para contemplar as esperanças e as aspirações de cada indivíduo.

Tudo para criar uma relação harmoniosa entre o planeta que habitamos e todos que nele vivem. Dentre os pilares, destacam-se:

  1. Respeito e cuidado da Comunidade da Vida
  2.  Integridade ecológica
  3. Justiça social
  4. Democracia, não violência e paz

A íntegra da Carta da Terra pode ser encontrada facilmente em qualquer plataforma de busca da internet, mas disponibilizamos aqui o link oficial.

O Instituto Soka Amazônia produziu uma vídeo-aula para compor o acervo do projeto Academia Ambiental sobre a Carta da Terra. Estudar o documento em conjunto com as gerações futuras em formação é mais que uma necessidade, um dever já que se trata de um dos textos norteadores de todas as ações propostas e executadas pela instituição desde a sua fundação.

Vídeo-aula do acervo do projeto Academia Ambiental sobre a Carta da Terra do Instituto Soka Amazônia

A assistente de projetos da Carta da Terra Internacional, Amanda Bennet Riveira, participa dessa vídeo-aula esclarecendo como cada pessoa pode contribuir para tornar possíveis os preceitos em seu dia a dia. “Minha primeira dica é imaginar o mundo que você quer viver, mas não somente o mundo de hoje”, inicia ela. Ela conclama a todos que vivenciem e se inspirem nos preceitos e tornem essas visões em ações, por menores que pareçam ser. E que divulguem ao máximo de pessoas o quanto é importante viver em sintonia com a sua inspirada visão de mundo.

Mapting Em conjunto com a Carta da Terra, a Soka Gakkai Internacional, entidade-mãe que congrega todas as organizações Soka Gakkai do mundo e também outras iniciativas como o Instituto Soka Amazônia, produziram o aplicativo MAPTING de mapeamento que permite aos usuários rastrear e mapear atividades que contribuem para a realização dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU.  

Nesse aplicativo é possível descobrir mais sobre os ODS, produzir fotos e vídeos sobre suas ações ou ideias e compartilhá-los num mapa mundial. É possível ainda conhecer outras iniciativas e atividades em andamento em qualquer parte do globo, para que cada ator desse processo se sinta parte de uma grande iniciativa que pode gerar, com aparentemente pequenas, mas que no fundo são grandes ações, um mundo realmente mais harmonioso.