Natureza que provoca encantamento e libera criatividade

A jovem fotógrafa Larissa, com Síndrome de Down, registra em imagem sua sensação diante do Encontro das Águas, a partir do Instituto Soka Amazônia

* por Monica Kimura (em colaboração ao Instituto Soka Amazônia)

A floresta tem uma incrível capacidade para trazer ressignificação. Nela encontramos animais, vegetação, e também uma energia capaz de nos proporcionar evolução. Para muitos, o simples fato de olhar para uma densa mata tem o efeito calmante. Sentar-se à sombra, respirar profundamente ares de uma pureza quase palpável e, inconscientemente, sentir-se parte de algo muito maior que a existência humana. Conectar-se com a natureza é um exercício de humanidade!

Mas, uma parcela significativa da população possui uma percepção do mundo natural muito mais apurada, pois não se bloqueia para as energias sutis: as crianças e os jovens.

Ciente de potencial ilimitado desse público, o Instituto Soka Amazônia, realizou, neste ano, aulas especiais na Academia Ambiental, um programa voltado à conscientização ambiental e aprendizado por meio da experiência e conexão com a natureza.

Uma das participantes do  projeto é Larissa Freitas Rocha, uma jovem de 21 anos com síndrome de Down que, ainda que sua condição seja caracterizada por uma série de limitações, demonstra sensibilidade aguçada para as energias sutis dos ambientes naturais.

Larissa compreende com precisão tudo o que a cerca, algo que transcende a percepção captada pelos cinco sentidos pela maioria das pessoas. Sua sensibilidade a levou a participar do curso de fotografia inclusiva, ministrado pela fotógrafa Cláudia Miyuki Higuchi e promovido pela APAE-Manaus e governo do Estado do Amazonas.

Na visita ao Instituto Soka, Larissa pode colocar seu talento em ação. Entusiasmada por conhecer a RPPN Daisaku Ikeda e participar da Academia Ambiental na Semana Internacional da Síndrome de Dow, em março, Larissa deu asas à sua sensível habilidade e registrou livremente a natureza com sua câmera fotográfica.

Além de render à jovem boas sensações em relação à natureza, o olhar de Larissa inspiraram muitas outras pessoas.

Suas fotos foram selecionadas e participaram da Exposição Biodiversidade: a Diversidade Amazônica promovida pela Secretaria Municipal de Educação (Semed) por meio da iniciativa Ocas do Conhecimento Ambiental, em maio.

Além da fotografia, a estudante busca na arte formas de expressar sua visão de mundo, como na dança do ventre, na dança popular, além de ser bailarina inclusiva.

Luciana Petniúnas Freitas comenta a alegria de ver a mudança significativa na vida de Larissa, com cada vez mais independência e liberdade. “Meu sentimento como mãe é de gratidão em ver minha filha sendo inserida cada vez mais numa sociedade que todos são iguais e têm os mesmos direitos de se desenvolverem mostrando que é capaz. Não tem coisa melhor na vida do que ver o brilho no seu olhar de felicidade e eu dizendo: ‘você pode e você é capaz‘”, ressaltou Luciana.

Outra história de sucesso

O exemplo de Larissa não é um caso isolado, o portal estadunidense, Children & Nature, relata um caso semelhante como o de Larissa, ocorrido com Leela, cujo contato com a natureza a ajudou a aprender sobre o “eu” físico e, mais importante, sobre seu espírito e sua essência. Segundo ela mesma, “a natureza é um organismo vivo, um lugar de relacionamento compartilhado”.  Sua mãe, Allyson enfatiza que para Leela, estar na natureza é como contatar a si mesma, os elementos sensoriais da mata permitem uma redefinição de como sentimos determinadas questões

“As birras terminam quando levamos Leela para fora. É uma experiência de cura no momento”, explica. Allyson conta que as experiências de Leela com a natureza elevaram seu senso de identidade, permitindo que ela se visse como parte de algo maior.

Vários estudos apontam evidências dos beneficios do contato da natureza para crianças. As chamadas “Escolas Verdes”, com com maior presença de natureza, podem melhorar a saúde, bem-estar e promover o desenvolvimento de habilidades socioemocionais nas crianças.

De acordo com site da rede Children & Nature, em espaços educativos mais naturais, os estudantes podem tornar-se:

  • Mais calmos e menos estressados: poder olhar para paisagens verdes das janelas da sala de aula ajudou alunos do ensino médio recuperarem-se mais rapidamente de eventos estressantes.
  • Positivos e restaurados: escolas florestais aumenta a positividade e reduz emoções negativas.
  • Resilientes: áreas naturais aumentam sentimentos de competência e amplia ainda mais as relações sociais que ajudam a construir resiliência.

Fonte: Children&Nature Nrtwork

Para a pesquisadora e doutora em Educação, Zemilda Santos, o afeto pela natureza deve ser estimulada na infância. Ela conclui em sua tese de doutorado que“… assim como o poeta Manoel de Barros, eu percebo que a realidade é complexa, mas também acredito na esperança, na potência do vir a ser, e, por isso, ouso dizer: Eu sei que as crianças de hoje, fabricadas de natureza e cultura, conseguirão restaurar dentro delas a inocência. (…) Conseguirão crescer sem deixar de ser crianças. Serão seres que saberão que o importante é ser e não ter. Conseguirão viver em harmonia com os demais sistemas de vida com os quais coabitam na natureza. Tudo isso será possível sim! Se, a começar pela Educação Infantil, lhe permitirem viver na infância, uma experiência afetiva com a natureza.”

Toda a equipe do Instituto Soka Amazônia trabalha incansavelmente para que essas palavras proféticas da pesquisadora se tornem realidade em um futuro bem próximo!

Fontes:

RHODELAND, Amelia. Experiências ao ar livre “naturalmente inclusivas” para crianças de todas as habilidades. Children&Nature. Maio 2023.

SANTOS, Zemilda do Carmo Weber do Nascimento. Criança e a experiência afetiva com a natureza – as concepções nos documentos oficiais que orientam e regulam a Educação Infantil no Brasil. Unival, Tese de Doutorado, Itajaí-SC, 2016. Disponível em: Acesso em: 06/07/2023.

TIRIBA, Lea; Profice, Chistiana Cabicieri. Crianças da natureza: vivências, saberes e pertencimento. Revista Educação & Realidade. Seção temática: Infâncias e Educação das relações étnico-raciais, ed. 44, ano 2, 2019. Disponível em: Acesso em: 06/07/2023

Ajude a preservar o futuro da Amazônia.

Apóie os projetos do Instituto Soka Amazônia!

Seja um doador, voluntário ou parceiro!

Pesquisa sobre educação no Instituto Soka Amazônia é apresentada em Conferência da Unesco

As práticas educacionais realizadas no Instituto Soka Amazônia foram destaque na  4ª Conferência Internacional da Rede Acadêmica de Educação e Aprendizagem Global (Angel) , realizada na sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris, no ultimo dia 19.  

A pesquisadora em educação internacional e professora adjunta da Universidade do Estado de Nova York, PhD Namrata Sharma, apresentou estudos realizados sobre a abordagem de criação de valor (em japonês, Soka) na educação ambiental promovida no Instituto na Amazônia.

Na avaliação da especialista, tanto a educação formal como a não formal são fundamentais para o desenvolvimento de habilidades críticas nos estudantes. Segundo ela, as abordagens educativas baseadas em valores humanos podem estimular comportamentos para uma mudança global construtiva.

Namrata Sharma classificou como múltipla a relevância do Instituto Soka Amazônia para a educação em sustentabilidade e cidadania global, somada à sua missão de preservação da biodiversidade da Amazônia, destacando três pontos:

  • a atuação da entidade como organização âncora do HUB ODS Amazonas, promovendo engajamento de empresas para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU;
  • a ética do Instituto representada na visão do fundador de uma coexistência harmoniosa de todas vidas;
  • compromisso da instituição com os princípios da Carta da Terra aplicados na abordagem de valores para a sustentabilidade.

“Tenho interesse em explorar tais aspectos em meu estudo sobre o Instituto como espaço informal único de aprendizagem para a prática da educação geradora de valor, reunindo discussões sobre sustentabilidade e cidadania global”, afirmou a PhD Namrata Sharma.

A IV edição da Conferência ANGEL teve como temática Educação e Aprendizado Global para um Mundo Justo, Pacífico e Sustentável. O evento é organizado pela Rede Acadêmica de Educação e Aprendizagem Global (ANGEL) em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Rede Europeia de Educação Global, Instituto e Faculdade de Educação e Sociedade da University College London e a Cátedra UNESCO em Educação para Cidadania Global em Ensino Superior Educação, com sede na Universidade de Bolonha.

Programação da Academia Ambiental é enriquecida com conteúdos da Carta da Terra 

Um grupo de gestores de escolas municipais da zona leste de Manaus participaram, nesta terça-feira (20), da reunião de planejamento do programa Academia Ambiental para o segundo semestre de 2023. O programa atende semanalmente turmas de alunos da rede municipal de ensino.

Durante o encontro , os educadores conhecerem os detalhes do programa e assistiram à palestra da coordenadora da Divisão de Pesquisas Científicas do instituto, Tamy Kobashikawa, sobre as possibilidades da aplicação da Carta da Terra na educação.

A pesquisadora e especialista em Educação, relembrou que na Semana do Meio Ambiente o Instituto Soka Amazônia tornou-se a primeira organização amazônica filiada à Carta da Terra Internacional, passando a ser uma divulgadora oficial de seus princípios. 

Ponderando sobre os grandes desafios ambientais e sociais que a humanidade enfrenta, Tamy avaliou que esses efeitos são a ponta de um iceberg e que a origem real desses problemas é mais profunda e está relacionada aos nossos valores e visão de mundo. 

“A Carta da Terra, nesse sentido, é uma bússola ética que pode nos guiar para soluções e está diretamente sintonizada aos objetivos que o Instituto declara em seu slogan ‘plantando sementes de uma nova consciência no coração das pessoas'”, afirmou.

Apesar de a Carta da Terra tratar de integridade ecológica, justiça social  e democracia e não-violência, Tamy ressalta que, de maneira sistêmica,  todos esses assuntos convergem para o eixo central que é o respeito e cuidado para com a comunidade da vida que inclui o ser humano, a natureza e sua biodiversidade. “Em resumo, somos a natureza”, declara. 

A coordenadora convidou os educadores a conhecer a exposição Sementes da Esperança e Ação”, disponível no Instituto e que já foi levada para outros espaços educativos, destacando-a como um instrumento importante para formação de cidadãos planetários, conscientes de seu papel no mundo.

O coordenador da Divisão de Educação Socioambiental do Instituto Soka, Jean Dinelly Leão, esclareceu que as aulas da Academia Ambiental são uma forma prática de aplicar a Carta da Terra.

“O modelo de educação proposto aqui é o experiencial, onde os alunos são incentivados a experimentar, manipular e observar os fenômenos da natureza enquanto visitam as instalações do Instituto e a RPPN Dr. Daisaku Ikeda. Acredito que refletir sobre suas experiências, torna o aprendizado muito mais estimulante”.

Programa educativo oferece aulas ao ar livre para estudantes de escolas públicas e privadas na Reserva Particular de Patrimônio Natural Dr. Daisaku Ikeda, em frente ao Encontro das Águas, e conta com a participação da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Ocas do Conhecimento Ambiental e o apoio de voluntários e empresas da região.

Mais informações do programa estão disponibilizadas em um site-piloto. Clique para acessar.

Quer conhecer ou apoiar as ações do Instituto Soka Amazônia?

Semana do Meio Ambiente: Melhores Momentos

Com o tema Consciência e Ação: Reconectar à vida, Cuidar do Planeta, Instituto Soka Amazônia promoveu série de eventos visando sensibilizar a sociedade para proteção do meio ambiente

por Dulce Moraes, Instituto Soka Amazônia

O mês de junho começou com várias ações de estímulo ao engajamento da sociedade para a necessária proteção do meio ambiente, diante dos desafios enfrentados em escala local e global.

Na cidade de Manaus, a equipe do Instituto Soka Amazônia teve oportunidades de levar à população conhecimento e experiências visando reconectar as pessoas à natureza e inspirá-las para ações no dia-a-dia.

No dia 1º de junho, a convite da Secretaria Municipal de Educação de Manaus, a coordenadora da Divisão de Pesquisas Científicas do Instituto, Tamy Kobashikawa, proferiu palestra para educadores e alunos da rede municipal sobre o que é e como aplicar Carta da Terra.

A poucos metros dali, no Ocas do Conhecimento Socioambiental,  espaço voltado à provocar a interação da população com as questões ambientais, voluntarios e equipe de Educação Socioambiental do Instituto Soka Amazônia realizaram ação educativa com workshop da bióloga e  pesquisadora Iris Andrade, sobre importância das abelhas nativas para o ecossistema.

Com o intuito de apoiar ações de ESG de empresas, a equipe de Proteção a Natureza do Instituto realizou palestra de sensibilização e plantio de árvores nativas com os colaboradores da empresa de energia Breitener.

PORTAS ABERTAS

Mas, foi no dia 3 de junho a abertura oficial da Semana do Meio Ambiente, com o tema Consciência e Ação: Reconectar à vida, Cuidar do Planeta, que promoveu atividades e vivências estimuladoras para reconexão, afeição e proteção da natureza.

Foram dez horas de programação na Reserva Particular de Patrimônio Natural Dr. Daisaku Ikeda, como trilhas educativas, caminhadas com observação de pássaros, plantio de enriquecimento florestal,  exposições educativas e interativas de empresas parceiras. Um público de mais de 400 pessoas de diversas idades pode experimentar exercícios de  Sambaterapia, oficinas de origami, artesanato com plantio de mudas, atividades literárias e atração musical da Manaus Brass Band.

DIA DO MEIO AMBIENTE COM CARTA DA TERRA

No dia 5 de junho, foi realizada cerimônia para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente e a oficialização do Instituto Soka como a primeira organização amazônica filiada à Carta da Terra Internacional. 

O diretor presidente do Instituto Soka Amazônia, Luciano Nascimento, destacou a importância da Carta Terra como declaração global que estabelece os valores e princípios para um futuro sustentável, nos moldes da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Nascimento ressalta o papel da Carta como instrumento para mostrar a responsabilidade e potencial de cada pessoa para transformar o destino o Planeta e de protegê-lo como cidadãos globais e planetários. “É um documento que nos empodera e nos dá esperança para as urgentes e necessárias mudanças a serem feitas para o bem das futuras gerações”, afirma. 

Antes de proferir sua palestra, Mirian Viela, diretora executiva da Carta da Terra Internacional, confessou sua emoção de ver, pela primeira vez, o Encontro das Águas a partir do Instituto . “A beleza e a estética do lugar deve ajudar a mover a nossa consciência a um outro nível”, comentou.

Mirian destacou ainda que o Dia do Meio Ambiente é todo o dia que vivemos, pois nas mínimas ações interagimos e dependemos do meio ambiente natural. “Somos natureza, somo feitos de água, ar e todos nutrientes. É fundamental expandir a nossa consciência sobre isso”.

Durante a solenidade, o presidente da Soka Gakkai, Minoru Harada, apresentou mensagem enviada pelo fundador do Instituto Soka Amazônia, Dr. Daisaku Ikeda, em que agradece a homenagem recebida da Carta da Terra Internacional e a dedica ao seu predecessor, Tsunessaburo Makiguti. “O professor Makiguti foi um geógrafo proeminente que admirava sinceramente as terras da Amazônia e era um precursor que almejava um futuro de coexistência com o meio ambiente e a competição humanitária”.

A cerimonia foi concluída com plantio de árvore nativa em celebração ao Dia do Meio Ambiente e Carta da Terra Internacional.

SEMINÁRIO CONSCIÊNCIA E AÇÃO

Um público de quase mil pessoas assistiu ao Seminário Consciência e Ação: Reconectar à vida, Cuidar do Planeta, transmitido ao vivo, pelo youtube no dia 6 de junho.

O evento reuniu apresentações de especialistas e debates sobre a importância da biodiversidade para o cidadão comum e abordagens educativas para criação de valores alinhados aos princípios da Carta da Terra.

Entre os palestrantes esteve a coordenadora de Tecnologia Social do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), professora doutora Denise Gutierrez, o professor e pesquisador da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), professor doutor Marcelo Gordo, e o coordenador da Divisão de Proteção da Natureza do Instituto Soka Amazônia, Rodrigo Izumi.  

O Seminário contou ainda com palestra de Mirian Vilela, da Carta da Terra Internacional, sobre formas de aplicar a Carta da Terra em vários contextos e uma mesa redonda com as consultoras da Carta da Terra Internacional, Cristina Moreno, Waverli Neuberger e Rose Inojosa.

Pelo chat na transmissão pelo Youtube do Seminário houve grande troca de informação e inspiração entre os participantes.

Veja alguns depoimentos dos participantes:

“Excelentes reflexões. o que falta fazer para o homem pensar global e agir local? Fundei uma ONG Árvores frutíferas em Rio branco com meu pai de 83 anos. plantamos cerca de 160 mudas por semana” (Marcia Macedo, educadora, Rio Branco/AC)

“Excelente, dra Denise. Aqui no Japão, temos este sistema de reciclagem também, seria excelente algum político pudesse levantar-se-á bandeira também” (Alfredo Kadomoto​)

Filiação do Instituto à Carta da Terra Internacional marca celebração do Dia do Meio Ambiente

por Dulce Moraes, Instituto Soka Amazônia

Com o tema Consciência e Ação: Reconectar à vida, Cuidar do Planeta, Instituto Soka Amazônia promoveu série de eventos visando sensibilizar a sociedade para proteção do meio ambiente. O momento ápice da Semana foi o dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, que foi celebrado com cerimônia de oficialização do Instituto Soka como a primeira organização amazônica filiada à Carta da Terra Internacional. 

O diretor presidente do Instituto Soka Amazônia, Luciano Nascimento, destacou a importância da Carta Terra como declaração global que estabelece os valores e princípios para um futuro sustentável, nos moldes da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Nascimento ressalta o papel da Carta como instrumento para mostrar a responsabilidade e potencial de cada pessoa para transformar o destino o Planeta e de protegê-lo como cidadãos globais e planetários. “É um documento que nos empodera e nos dá esperança para as urgentes e necessárias mudanças a serem feitas para o bem das futuras gerações”, afirma. 

Antes de proferir sua palestra, Mirian Viela, diretora executiva da Carta da Terra Internacional, confessou sua emoção de ver, pela primeira vez, o Encontro das Águas a partir do Instituto . “A beleza e a estética do lugar deve ajudar a mover a nossa consciência a um outro nível”, comentou.

Mirian destacou ainda que o Dia do Meio Ambiente é todo o dia que vivemos, pois nas mínimas ações interagimos e dependemos do meio ambiente natural. “Somos natureza, somo feitos de água, ar e todos nutrientes. É fundamental expandir a nossa consciência sobre isso”.

Durante a solenidade, o presidente da Soka Gakkai, Minoru Harada, apresentou mensagem enviada pelo fundador do Instituto Soka Amazônia, Dr. Daisaku Ikeda, em que agradece a homenagem recebida da Carta da Terra Internacional e a dedica ao seu predecessor, Tsunessaburo Makiguti. “O professor Makiguti foi um geógrafo proeminente que admirava sinceramente as terras da Amazônia e era um precursor que almejava um futuro de coexistência com o meio ambiente e a competição humanitária”.

A cerimonia foi concluída com plantio de árvore nativa em celebração ao Dia do Meio Ambiente e Carta da Terra Internacional.

Expedição promovida pelo Instituto Soka Amazônia visita comunidades na região do Médio Rio Negro

A equipe do Instituto percorreu 100km ao longo dos rios Negro e Cuieiras, visitando comunidades e realizando o plantio de 110 mudas de espécies florestais nativas

por Talita Oliveira, em colaboração ao Instituto Soka Amazônia

Na última quinta-feira (27), o Instituto Soka Amazônia promoveu sua primeira expedição do ano. Com o objetivo de realizar ações de educação ambiental e contribuir para o desenvolvimento sustentável de comunidades indígenas e ribeirinhas, a equipe do Instituto percorreu mais de 100km de barco na região do Médio Rio Negro, ao longo dos rios Negro e Cuieiras, realizando diálogos e plantios, em ações que envolveram comunitários, professores e estudantes.

O primeiro destino da expedição foi a Comunidade Nova Esperança, do povo indígena Baré, distante cerca de três horas de barco a partir da sede do Instituto. A equipe foi recebida por Sandoval Moreno, professor e assessor pedagógico da Escola Indígena Municipal Puranga Pisasu

Junto a aproximadamente 40 crianças, o assessor e os professores assistiram ao vídeo institucional do Instituto e foram presenteados com exemplares do livro “Escolha a Vida” e  da Proposta de Paz, de autoria do fundador do Instituto, Dr. Daisaku Ikeda,  além de 200 caixas de giz de cera vindas diretamente do Japão e destinadas às crianças.

O vice-presidente do Instituto Soka Amazônia, Milton Fujiyoshi, explicou para a comunidade qual é o maior desejo do Instituto nessa primeira visita. “Hoje pudemos dar um pequeno passo avante para cumprirmos nossa missão de plantar no coração de cada pessoa a semente da reflexão e consciência de nosso importante papel para a proteção da Amazônia. O objetivo é fazer e aprender junto com todos vocês”, finalizou. 

Após o diálogo, foi hora da ação. Protagonizado pelos alunos e com o apoio técnico da equipe do Instituto, foi realizado o plantio de 100 mudas de espécies florestais nativas na área do entorno da escola. 

O professor e assessor pedagógico da escola indígena, Sandoval Moreno, explica que ações como essas trazem aprendizados que levam as crianças a terem um maior cuidado com a comunidade. “São coisas que incentivam, motivando as nossas crianças a saber cuidar do contexto onde elas estão vivendo. Para as crianças, é sempre uma alegria, uma diversão e ao mesmo tempo elas vão adquirindo novos conhecimentos”, reflete.

Educação indígena: vencendo barreiras e criando valores

Dando sequência ao roteiro da expedição, a equipe percorreu mais uma hora até chegar na Comunidade Três Unidos, do povo indígena Kambeba, onde o Instituto já desenvolveu outras ações. O professor e diretor da Escola Indígena Municipal Kanata T-ykua, Raimundo Kambeba, recebeu a equipe para um intenso e proveitoso diálogo, onde pôde compartilhar a sua trajetória enquanto educador indígena profundamente comprometido com seu povo e sua comunidade, o que inspirou a equipe do Instituto.

Formado em pedagogia intercultural indígena pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e especialista em gestão escolar, Raimundo conta que no início não foi fácil conciliar os estudos com a responsabilidade de ser professor na sua comunidade, função que exerce desde os 14 anos. “Foi uma luta muito grande, pois nunca deixei de estar aqui na comunidade dando aula, estudava na cidade e voltava para a comunidade”, relembra. 

Raimundo enfatiza a necessidade das escolas indígenas terem condições para produzir materiais próprios, que valorizem os conhecimentos tradicionais. “Precisamos de parcerias para que educadores indígenas em suas próprias comunidades possam criar materiais pedagógicos que possam ser trabalhados nas suas escolas, para que o conhecimento dos nossos mais velhos possa ficar registrado”, finaliza. 

Na oportunidade, a equipe identificou as espécies florestais que são de interesse da comunidade e que possam, futuramente, fornecer também matéria prima para os artesanatos do povo Kambeba, feitos com sementes das árvores. 

Plantar, educar e preservar

A última parada da expedição foi a Comunidade Santa Maria do Rio Negro, onde vivem indígenas e ribeirinhos. Ângelo Grijó, diretor da Escola Municipal Luiz Jorge da Silva, recebeu a equipe do Instituto e mostrou a estrutura da escola. Após um breve diálogo, os alunos, sob a supervisão da equipe do Instituto, realizaram o plantio de 10 mudas de espécies florestais nativas no entorno da escola, especialmente próximo às margens do rio, com a intenção de preservar os barrancos da comunidade.

“Estamos muito gratos pela visita do Instituto Soka Amazônia aqui na comunidade. A educação ambiental  faz com que as crianças percebam a importância do plantio e os efeitos desse plantio, que futuramente estará preservando os barrancos da comunidade”, explica o diretor. 

Com a proximidade da chuva e do horário do pôr-do-sol, a equipe do Instituto finalizou a expedição, com a sensação de missão cumprida. “O Instituto Soka Amazônia vai continuar seguindo essa luta de conectar vidas. A partir da inseparabilidade da pessoa e seu ambiente, podemos dar uma grande contribuição aprendendo junto e realmente criando uma história nova na vida de todos nós”, avalia o vice-presidente do Instituto Soka Amazônia, Milton Fujiyoshi.

Sementes da Vida

Todas as mudas nativas plantadas nas comunidades são georreferenciadas e integram o projeto Sementes da Vida, idealizado pela Corregedoria-Geral de Justiça do Estado do Amazonas e coordenado pelo Instituto Soka Amazônia. Para cada criança que nasce na Maternidade Pública Moura Tapajós, na cidade de Manaus, é plantada uma árvore. Junto com a certidão de nascimento do bebê, os pais recebem um certificado de plantio, emitido com o nome da criança, identificando a espécie e sua geolocalização. 

Apoios

A expedição é uma iniciativa do Instituto Soka Amazônia em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Manaus (Semed), com a qual o Instituto desenvolve ações conjuntas de educação ambiental na rede municipal de ensino. Além da Semed, a expedição também teve o apoio do Centro de Projetos Rurais Sustentáveis da Amazônia (Prusa).

Essas e outras importantes ações empreendidas pelo Instituto Soka Amazônia só podem ser realizadas em razão da ampla rede de órgãos, instituições, empresas e pessoas que apoiam o Instituto, sejam através de doações ou demais parcerias.

Quer conhecer ou apoiar as ações do Instituto Soka Amazônia?

Valorização do Patrimônio Cultural no Sítio Arqueológico Daisaku Ikeda 

O dia 18 de abril –  Dia Internacional dos Monumentos e Sítios – é o marco da defesa do Patrimônio Cultural e foi instituído pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios para estimular ações ao redor do mundo para a valorização e proteção de bens culturais.

O Instituto Soka Amazônia participa desse movimento de preservação do patrimônio histórico e cultural por meio da conservação e divulgação de conhecimento sobre o sítio arqueológico localizado na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Dr. Daisaku Ikeda.

O Sitio Arqueológico Dr. Daisaku Ikeda foi oficializado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2001, a partir do registro de achados arqueológicos cerâmicos na área  da RPPN, como uma urna funerária e um alguidar (panelas utilizadas por povos indígenas da região amazônica). 

Pesquisadores apontam que os achados referem-se às fases Guarita, Cerâmica e Paredão, que têm cerca de 2.000 anos. As análises se baseiam em estudos multidisciplinares que buscam compreender como as vasilhas foram produzidas, utilizadas e descartadas. 

De acordo com o relatório do Museu Amazônico, na área da RPPN Dr Daisaku Ikeda existem três sítios arqueológicos – o sitio de gravuras rupestres Ponta das Lajes e os sítios cerâmicos Lajes e Daisaku Ikeda. Segundo estudos, a arqueologia local sugere uma ocupação que pode remontar milhares de anos atrás, como no caso do sítio rupestre Ponta das Lajes. Os sítios cerâmicos somam quase uma dezena e apontam para sequência de uma ocupação, aparentemente ininterrupta, desde o início da era cristã até o contato com o europeu e os dias atuais. O Sítio Arqueológico Daisaku Ikeda, área florestada m frente ao Encontro das Águas, aparenta ser contemporâneo ao Sitio Ponta das Lajes, e provavelmente ocupado pelos mesmos grupos indígenas no passado.

Fonte: Plano de Manejo da Reserva Particular de Patrimônio Natural Dr. Daisaku Ikda, 2017. CSNAM/UFAM/INSTITUTO SOKA AMAZÔNIA

Visitantes do Instituto Soka Amazônia, alunos e educadores que participam das aulas do programa Academia Ambiental podem apreciar uma amostra desses achados e também das ruínas da Olaria do Senhor Andresen, vestígio histórico datado do início da construção do centro histórico da cidade de Manaus. 

Outro patrimônio de importância histórica e cultural são as gravuras rupestres localizadas em rochas submersas no Encontro das Águas, em frente  à RPPN Dr. Daisaku Ikeda, que só podem ser visualizadas em períodos de seca e de baixíssima vazão dos rios Negro e Solimões, na  área conhecida como Ponta das Lages. 

São várias gravuras feitas na pedra com símbolos que se assemelham a faces humanas. Essas gravuras são um mistério que intriga especialistas e, segundo arqueólogos que estudam a região da Amazônia, podem ter sido feitas entre 2.000 e 5.000 anos atrás por índigenas que habitavam o local.

Conhecer e, principalmente, proteger esses achados de relevância cultural e histórica é dever de toda a sociedade. A partir da Constituição Federal de 1988, o patrimônio arqueológico é reconhecido como parte constituinte do Patrimônio Cultural brasileiro, impondo ao poder público, com a colaboração da comunidade, o dever de sua proteção.

Quer conhecer ou apoiar as ações do Instituto Soka Amazônia?

Fique sabendo:

Sítios arqueológicos: São locais onde foram localizados vestígios resultantes de atividades humanas antigas ou recentes e que podem ser localizados na superfície terrestre, rochas, subsolos ou submersos em corpos d’água.

Achados arqueológicos: são  gravuras e pinturas rupestres, sambaquis, geoglifos, objetos de naufrágios, estruturas históricas e casas subterrâneas, dentre outros.

Sítios arqueológicos no Braisl: há mais de 34 mil sítios arqueológicos registrados no SICG (sistema do Iphan onde estão integrados os dados sobre o Patrimônio Cultural e possibilita o reconhecimento de cada um dos bens enquanto sítio arqueológico). Esse número aumenta a cada dia.

Obrigatoriede de informa achado e proteger:

Ao encontrar vestígios arqueológicos em sua propriedade, cidadão deve-se comunicar os órgãos de Patrimônio Histórico de sua região. Mais detalhes no site do Iphan.

De acordo com a Constituição Federal, os sítios arqueológicos são bens da União, sendo competência comum da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios fomentar medidas de preservação, bem como impedir sua destruição e mutilação. O cadastro de um bem enquanto sítio arqueológico ocorre a partir do atendimento aos critérios estipulados na Portaria Iphan nº 316/2019 e após a sua inserção no sistema SICG, do Iphan.

São proibidos o aproveitamento econômico, a destruição ou a mutilação dos sítios arqueológicos, antes de serem pesquisados por arqueólogas e arqueólogos (Lei 13.653/2018), com a devida autorização do Iphan.


Parabéns ao Bosque da Ciência do INPA por 28 anos de promoção da Ciência e Ecologia

O Instituto Soka Amazônia participou das celebrações de 28 anos do Bosque da Ciência do INPA, um importante espaço educativo e cultural da cidade de Manaus, aberto à população para atividades de lazer com educação e conscientização ambiental.

Para celebrar a data, o Instituto Soka fez um oferecimento de 150 mudas selecionadas de espécies nativas – abiu, açaí-de-touceira, bacuri-liso, cacau, cupuaçu, graviola e sapotilha – que ajudarão no enriquecimento florestal do Bosque e também foram doadas aos participantes.

O Bosque é um dos núcleos educativos do Instituto de Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA, com o qual o Instituto Soka Amazônia tem acordo de cooperação técnica, desde 2015.

E foi nesse espaço que se deu inicio às ações conjuntas entre as duas instituições, como relembra Jean Dinelly Leão, coordenador de Educação Ambiental do Instituto Soka. “Já nesse ano começamos a participar de edições do projeto Circuito da Ciência”.

O Circuito da Ciência, realizado no Bosque, é um projeto voltado a estudantes do Ensino Fundamental e Médio de Manaus com enfoque na sensibilização ambiental e popularização da Ciência.

Os participantes fazem uma imersão no universo científico e, por algumas horas, se sentem parte de uma grande estrutura que é o meio ambiente natural amazônico, graças à rica fauna e flora existente na área do Bosque.

Parceria e sinergia em prol da proteção da Amazônia

Para Jean Dinelly Leão há muita sinergia entre as iniciativas de proteção à natureza e educação ambiental do Instituto Soka Amazônia e as atividades do Bosque da Ciência do INPA e que se reflete nas ações conjuntas.

“Desde o plantio periódico de mudas frutíferas, que servem de alimento à fauna composta basicamente de primatas e roedores, até ao apoio às ações educativas. No ano de  2022, por exemplo, na Semana do Meio Ambiente, o Instituto levou mais de 100 voluntários que ajudaram a revitalizar o Bosque que se encontrava fechado ao público, devido à pandemia”.

Jean Dinelly Leão, coordenador de Educação Ambiental do Instituto Soka Amazônia

Desde a assinatura do acordo de cooperação,  o Instituto Soka e o INPA vêm também promovendo diversos eventos conjuntos, como o Seminário Águas da Amazônia, Semana do Meio Ambiente. 

Na avaliação de Tamy Kobashikawa, coordenadora da Divisão de Pesquisas Científicas do Instituto Soka Amazônia, a trajetória de  quase três décadas do Bosque da Ciência tem muitos motivos para ser celebrada e destaca a relevante contribuição dada à cidade de Manau s quanto à preservação ecológica e conscientização ambiental. 

“O Bosque da Ciência é uma iniciativa que temos muito orgulho de colaborar, inclusive com os plantios para enriquecimento florestal, e por ser um espaço que proporciona à população desfrutar esse verdadeiro tesouro natural em meio à cidade. E o INPA é um dos parceiros de longa data do Instituto Soka e desejamos que esses laços sejam mais fortes e frutíferos no futuro. Imensas felicitações e continuem contando com os amigos Soka!”

Tamy Kobashikawa, coordenadora da Divisão de Pesquisas Científicas do Instituto Soka Amazônia

A coordenadora de Tecnologia Social do INPA, professora doutora Denise Guttierrez, também exalta a parceria com o Instituto Soka e destaca que os objetivos de ambas instituições são confluentes na defesa do patrimônio natural de uso coletivo que é a floresta e tudo que envolve sua sobrevivência.

“Valorizamos a floresta  em pé! Valorizamos os recursos da Amazônia! Valorizamos e amamos a Ciência, o conhecimento e todos os valores que ela pode aportar e, nesse sentido, temos muita confluência com o Instituto Soka”, concluiu.

Professora doutora Denise Guttierrez, coordenadora de Tecnologia Social do INPA, ,


Academia Ambiental celebra Dia Mundial da Água e das Florestas

O Dia Mundial da Água (22 de março) e o Dia Internacional das Florestas (21 de março) foram celebrados de forma muito especial por alunos da rede pública de Manaus, que frequentam três unidades da Ocas do Conhecimento Ambiental da Secretaria Municipal de Educação.

Eles participaram, nos dias 20 e 21, da Academia Ambiental do Instituto Soka Amazônia, com uma programação dedicada e aulas ao ar livre na Reserva Particular de Proteção Natural (RPPN) Dr. Daisaku Ikeda.

Aos alunos foi proposto o desafio de desvendar alguns mistérios da Amazônia e aprender mais sobre a conexão entre as árvores, rios e animais.

Após aprenderem sobre folhas e sementes amazônicas no laboratório do Instituto, os alunos participaram da trilha educativa, com pontos de parada no lago, no mirante – de onde é possível ver o Encontro das Águas -, assistiram a aula sobre abelhas nativas e conheceram a gigante castanheira e as ruínas da antiga olaria, onde foram fabricados os primeiros tijolos para construção da cidade de Manaus.

O ponto alto da aventura foi o encontro com a Rainha da Floresta, sua majestade Sumaúna.

Conhecida pela surpreendente capacidade de absorver água do solo, a Sumaúma ou Samaúma (Ceiba pentranda), é considerada uma das maiores árvores da Amazônia, que pode alcançar 70 metros de altura e 3 metros de diâmetro de tronco.

A Sumaúma também é conhecida como a  “mãe-das-árvores” pois em sua copa alta se abrigam uma variedade de insetos, pássaros e outros animais.

A generosidade materna dessa árvore também é atribuída ao mecanismo natural de absorver em suas raízes grande quantidade de água do solo e a distribuir para outras  espécies do entorno.

Durante a Academia Ambiental, os alunos aprendem a interação entre água, plantas e animais observando a paisagem.

Foi o caso da participação surpresa de uma “aluna” especial: uma jiboia, serpente da família Boidae, que secava-se nos galhos altos da árvore, há uma distância segura dos alunos.

A Academia Ambiental do Instituto Soka Amazônia, realizada em parceira com a Ocas do Conhecimento Ambiental, proporciona aos estudantes de escolas públicas de Manaus, a oportunidade de conhecer o icônico Encontro das Águas, entre os Rios Negros e Solimões, cujas águas escuras e claras não se misturam, e que pode ser observado  diretamente da sede da  RPPN Dr. Daisaku Ikeda.

Principais momentos da Academia Ambiental – Especial Dia Mundial da Água e Florestas

Práticas científicas sobre Solo, Água e Luz Solar no Instituto Soka Amazônia

Treze alunos dos cursos de Química e Biologia do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) participaram, nos dias 7 e 8 de março, de aulas teóricas e práticas ministradas por professores da Universidade Soka – Japão, na sede do Instituto Soka Amazônia, dentro da programação do I Workshop de Ciências Práticas e Educação Ambiental na Amazônia.

O workshop – promovido pelo Instituto Soka Amazônia, Universidade Soka – Japão e IFAM – tem por objetivo promover intercâmbio de conhecimento entre as instituições e contribuir para o desenvolvimento de pesquisas em áreas de grande importância para a região amazônica, como Água, Solo e Luz Solar.

Na manhã da terça (7 de março),  os alunos selecionados para o programa assistiram a palestras dos professores Yoshiki Takayama, Victor Kuwahara​ e Shinjiro Sato, na Sede do Instituto Soka Amazônia.

O professor Yoshiki Takayama​, do Instituto de Plâncton Eco-Engenharia​ da Universidade Soka, fez sua exposição sobre Ciências Aquáticas, destacando, entre outros pontos, a dimensão da grande presença da água no Planeta Terra: 71% é coberto por água e há 1.4 bilhões de km3 de água no planeta.

E detalhou, ainda, o ciclo da água e sua importância na cadeia alimentar de vários ecossistemas aquáticos, como os plânctons, microorganismos aquáticos que ele estuda.

O professor Victor Kuwahara do Laboratório de Oceanografia Ótica da Universidade Soka, apresentou a palestra A Energia da Vida: Luz do Sol. Com dados e reflexões lúdicas, ele instigou nos alunos a reflexão sobre as razões para medição da luz solar.

Entre os pontos levantados pelo professor está o impacto dessa energia nas diferentes formas de vida na Terra, como no balanço energético do Planeta, a relação com a fotossíntese das plantas e na produção primária de diferentes ecossistemas, terrestres e oceânicos.

Na palestra Ciências do Solo o professor Shinjiro Sato expôs um panorama de como são formados os vários tipos de solos, sua localização no Brasil e no mundo e a relação dos nutrientes presentes no solo para o desenvolvimento das plantas. Finalizou a palestras explicando a metodologia de coleta de amostragem de solo a ser executada durante o Workshop.

A pedido dos alunos, Sato explicou sobre os cursos e programas de pós-graduação da Universidade Soka, os critérios para aplicação às vagas e as possibilidades para alunos estrangeiros.

O período da tarde foi dedicado à parte prática do programa, quando os alunos puderam fazer a coleta de dados ambientais em quatro pontos na RPPN Dr. Daisaku Ikeda, sede do Instituto Soka Amazônia. Divididos em quatro grupos, sob a orientação dos professores da Universidade Soka, os alunos coletaram quatro tipos de solo e fizeram a medição de luz solar.

Na quarta-feira (08 de março) foi a a vez da coleta de material de pesquisa para estudo da Água em expedição ao Encontro das Águas.

Todos os materiais coletados seguem para o condicionamento e análises no Laboratório do IFAM. Todos dados coletados e seus resultados farão parte das discussões entre professores e alunos no final do workshop.

Veja algumas imagens dos melhores momentos da parte prática do Workshop